crisjoshaff@gmail.com

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Alma de minh’alma


És tu, agora eu sei,
És minha alma gêmea.
A metade que procuro por tanto tempo,
Dentro da eternidade maior de almas que se amam.
Meu amor por ti tem dimensão celeste e infinita.
Talvez tu não tenhas compreensão necessária 

para entender do que falo.
Querido... 

Meu amor...
Sinto tantas vezes em meio a minha tão imensa saudade,
Vontade de chamar-te... Meu amor...
Mas tantas vezes, me perco em meio as tolices 

que me impermeabilizam .
Acabo por não dizer o que de mais belo existe em mim.
Sei que podes até não me amar assim,
Mas nasci mulher e aprendi a amar com a força das estrelas
Não consigo mais guardar dentro de mim

amor tão imenso assim.
Talvez tenha feito eu escolhas para esta vida,
Talvez tu estiveste entre elas,
Mas tudo que sinto no fundo do meu coração...
É que nasci para te amar,
E te amo hoje e sempre,
Como mulher e como ser humano.
Meus olhos tem lágrimas de saudade
Sinto a pele queimar de desejo e saudades de ti.
Ah...! Quanta saudade de ti... Te amo!

3 comentários:

  1. Lindo poema de amor Neide.
    Beijos com carinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Obrigada! O amor faz com que tudo nos pareça ainda mais belo e encantador!
      Obrigada pelo carinho!

      Excluir