crisjoshaff@gmail.com

domingo, 30 de abril de 2017

Em boa hora


Às vezes a vida se esvazia como uma folha em branco
É a alma que não consegue ser silenciada
É o coração que pulsa forte em descompasso
É a emoção desmedida do poeta tosco
É a solidão trancafiada no baú de Pandora
É um lado perdido em mim que silenciosamente chora!

Às vezes preciso transbordar
É que o copo dos dissabores encheu
É que desmesuradamente sou emoções
É que não posso mais conter o silêncio
É que há palavras latejando dentro da mente
É que a taça dos desejos despeja-me... devora!

Às vezes preciso a-cor-dar
É que a cor dos sonhos debotou a realidade
É que a vida se tornou insipida demais
É que preciso sentir e ter sentido
É que preciso viver e ter vivido
É que a mala está novamente pronta... é hora!

Às vezes é preciso partir para chegar
É que os (des)acordos convencionais não mais convencem
É que as tristezas já me despedaçaram
É que o inteiro quebrou-se em cacos
É que sou mosaico colando meus (des)pedaços
É que tudo se foi e eu também preciso ir embora

Às vezes é preciso tirar os óculos e ver o que ninguém vê
É que nem sempre conseguimos achar a direção certa
É que nem sempre nos apontam o caminho certo
É que tudo se liquefaz nestes tempos insanos
É que não sabemos se há mesmo para onde ir
É que  não conheço tudo que em mim mora

Às vezes preciso da dor para me encontrar
É que a palavra afiada degolou os sonhos
É que sobrou pouco do pouco que fui
É que talvez, um dia, quem sabe... haja todo
É que tudo não foi suficiente, embora fosse tanto
É que nada se perde... se transforma...é sempre... em boa hora!