crisjoshaff@gmail.com

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Beijo


Meu olhar se perde
Em busca da confluência dourada do infinito.
Naquele ponto certeiro
Em que as nuvens beijam o mar,
Naquele instante supremo
Em que a lua se faz presença,
Porém, o sol ainda tinge o horizonte
Com a púrpura do crepúsculo.
Opostos se unem,
Confrontos se completam.
Espelhos se revelam
Na lucidez da própria alma.
Vago por entre as brumas...
E uma saudade sem igual
Preenche de espinhos
A minha solidão...
Espinhos que não vêm sós,
Que trazem um perfume único...
Mas onde estarão as rosas? 
Por que não posso vê-las?
Desejo tocar o viço
Que se delineia à minha frente...
No entanto, como Psiquê permaneço no escuro...
Meus olhos estão fechados...
Posso sentir a brisa,
Tocar o contorno sutil dos meus sonhos...
Só não posso vislumbrar as cores
Desse instante único e mágico.
E essa busca incessante do eu
Também busca um tu.
Devaneia um nós.
Não sei quem sou...
Estou em busca de um tu que não tem face
Só alma, só saudade, só amor...
Existe um perfume que me rodeia
E tateando o vento,
Dedilho o rosto daquele que não posso ver...
Incógnita que exige que eu a decifre...
Como?
Estou só, desprovida de tudo,
Perdida no mundo.
Talvez se eu pudesse...
(Re) conhecer o som de sua voz
Sentir o beijo a aflorar desejos...
Talvez se eu soubesse como deixar o efêmero
E viver o eterno...
Mas ainda sou mortal, incompleta, única e só...
Falta-me uma direção...
Um norte para o barco que, à deriva,
Tumultua meus sonhos...
Queria um abraço,
O aconchego de uma presença...
Um porquê sentir saudades,
Um por quem prosseguir e insistir...
Queria me apaixonar de novo...
Sentir a vida na sua plenitude...
Olhar para o horizonte
E me sentir dentro dele.
Olhar para o mar
E mergulhar no seu azul profundo...
Olhar para dentro de mim...
E encontrar esse alguém
Que tanta falta me faz.
Não posso deixar de sonhar
Não sei deixar de amar
Esqueci um pouco de mim
Em outras esquinas do meu caminho...
Ausências, incertezas, vazio...
Tudo se preenche de saudade...
Meu olhar revela a alma
Que chora,
Que sofre,
Que espera por ti.
Sim, espera por alguém
Que ainda não sabe quem
Por alguém que como eu
Busca um sonho só.
Que acredita que a vida
É um aprendizado único,
Que tudo existe para e por nós.
Estou aqui para me destituir
Das marcas do silêncio.
E me silenciar nas palavras que debulho
Como lágrimas de saudade...
Como gotas de orvalho
Que molham as pétalas dos sonhos,
As quais se escondem dos meus olhos.
Esqueci-me de mencionar...
O sol se retirou,
Apagou-se no firmamento,
Pôs-se a descansar...
Para que surgisse a lua,
Majestosa no seu vestido prateado...
E a lua persiste...
Ama solitariamente e em segredo.
Como se escondesse de si mesma
A verdadeira essência da existência.
Estou aqui...
Perambulando por canteiros de jasmins,
Buscando a rosa mais bela,
O perfume sublime...
Que encantou a alma
E enfeitiçou os sentidos...
Busco a perfeição de um sonho...
Capaz de destituir o medo da solidão
E revelar a face dessa saudade
Que taciturnamente tem vindo visitar-me
Quando o mar beija ardentemente as nuvens!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário