crisjoshaff@gmail.com

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Meu amor, meu anjo...




Existem momentos que nos fazem crer
que Deus ainda acredita em nós...
Há pessoas que nos tocam em alma
de uma forma tão intensa e inteira
que percebemos que mal nos conhecíamos...
Assim foi conosco...
Tu chegaste de mansinho...
Enredaste-me devagarinho...
Embalaste-me em versos...
Enlaçaste-me num sonho...
E eu não pude fugir...
Não quis... É verdade...
Tentei me desvencilhar...
Sufocar-me...
Mas a comunhão de pensamentos, de almas 
impediu-me de sucumbir a esmo....
E de novo nos aproximamos...
Parece que mais forte...
Permitimo-nos sentir a nós mesmos e ao outro...
Esqueci a culpa...
Bani o medo...
Deixei-me levar...
Perdi-me na ânsia louca de te amar...
Por instantes únicos e supremos,
estivemos um nos braços do outro...
Tocamos e fomos tocados...
Acariciados...
Beijados...
Despejamos sobre o corpo o que a alma anseia...
Entregamo-nos ao desejo, ao prazer, um ao outro...
A fantasia era maior do que a distância...
Invadimos e fomos invadidos pelo desejo...
Comungamos, consumamos, deliramos...
Permitimo-nos ser volúpia ardente...
Corpos entrelaçados e almas conectadas...
Ávidos, loucos, insanos, despudorados...
Tu me fizeste esquecer-me de tudo...
E sentir uma vontade louca de viver...
Ainda que por breves instantes...
Fazia muito tempo que não me sentia viva...
Queimando de desejo...
Desejei imensamente tocar-te verdadeiramente...
Entregar-me a ti de corpo e alma...
Fui dormir contigo ontem...
Estava impregnada por tuas palavras,
Fui seduzida, envolvida...
Sentia-me lasciva, lânguida,
carente de ti, da tua voz, do teu corpo...
Não pude resistir...
Adormeci...
Ao acordar,
estranha transformação operava-se em mim...
Sentia-me bela, desejada, feliz
como há muito não me via...
Tu fizeste a lagarta transmutar-se em borboleta...
Um riso solto fez-me lembrar da menina de outrora...
Há uma saudade imensa de ti...
Não te encontrei...
Ainda...
Mas te espero...
Como te espero...
E te quero...
Quero-te...
Quero tudo...
Nós...
De novo...
Verdadeiramente...
Concretamente!



Nenhum comentário:

Postar um comentário