crisjoshaff@gmail.com

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Intempéries

Vertido de sonhos
O tempo se renova em nós...
Desfaz as amarras do passado,
Liberta-nos da mediocridade,
Da agonia que nos aprisiona
Enfadonhamente na rotina...
Reconfigura os fragmentos
Da alma tão cansada da dor...
Faz-nos ousar,
Ir além da nossa sombra,
Perceber nossas asas
E a nossa capacidade inefável de voar...
Enche-nos de esperanças,
Enfeita-nos de flores o coração
À espera de viver intensamente
E nos exaurirmos até a última gota...
Assim entreabrimos a janela
Para respirar o perfume,
Abraçar o vento,
Que, vez ou outra, sussurra-nos segredos...
Sopra fagulhas ignotas, quase extintas,
Reacende as possibilidades esmaecidas
Que abandonamos pelo caminho...
É preciso arriscar mais... sair do eixo...
Mesmo não se sentindo seguro...
Buscar novas direções,
Aprender a escolher
Sem medo de se machucar...
Ainda receosos, desejamos a luz...
Tocamos momentaneamente o céu
E tudo que se quer,
Neste instante único e mágico,
É deter essa coisa clandestina
Que se chama felicidade...
Ah... é verdade...
Não temos este poder...
Isto cabe apenas ao tempo,
Senhor que nos ensina a viver...
A compreender que querer, quase sempre,
Está tão longe de poder...
Mas é algo inerente...
Que nos impulsiona a persistir,
Instiga-nos a vencer as intempéries
Que se interpõem entre nossas vontades...
É preciso ultrapassar limites
E muitas regras transgredir...
Afinal, o horizonte ainda está nublado...
Confuso... difuso...
A tempestade não se dissipou totalmente...
O gosto de chuva ainda está em mim
Ah... confesso: amo a chuva!
Sem ela não há primavera...
Sem flor, a vida é cinza, sem perfume e cor...
Há desafios nos colocando na berlinda,
Porém muito há para se viver ainda...
Quisera... ser permitido a nós, meros mortais,
Tocar mais vezes este céu de estrelas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário