crisjoshaff@gmail.com

sábado, 2 de junho de 2018

MEMÓRIA


Realidade atroz me apavora...
Ando a esmo pela rua deserta...
A tessitura do agora em horas me desdobra...
E vejo vestida de prata a lua desperta...

É noite escura aqui dentro...
E lá fora outra noite se desvenda...
A fantasia borda meus sonhos: epicentro.
E eu olho a imagem no espelho: sem máscara ou venda!

Qual é a senha deste enigma egocêntrico?
Onde estou? Acordada ou em transe?
Perambulo pela orla de mim mesma: excêntrica.
Tateando as sombras e os resquícios: sente... pense...

Perto do que aqui dentro me escacaram...
O caos lá fora é ínfimo, ainda que sem fim pareça...
Despedaçam-se os fatos, criam-se pós- verdades: a tudo mascaram
Delineando conjunturas distorcidas sobre nossa cabeça...

E de tudo que a travessia me roubou agora quero tanto
Apenas sentir o calor das suas mãos sobre mim...
Por  favor, beija-me lentamente assim...
A memória precisa de decorar com detalhes todo o canto...

Ouça a música, que em noites como esta, fez-nos viajar
Entrelaçados ao luar, quis tanto por mais tempo sonhar...
Enxuga as lágrimas desta alma que cansou de chorar...
Embala as afinações que nos fazem despertar...

Psiu! Silêncio!!!
Não me acorde deste devaneio que me permitiu encontrar
Nas brumas do passado, os cacos do que sou: prenúncio...
Ah... desejo, na verdade, a entrega, o êxtase, o oásis: a-cor-dar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário