crisjoshaff@gmail.com

domingo, 23 de outubro de 2016

Sentido

Quando a vida em mim gr
Palavras ultrapassam o sentido
Desmedidamente tocam o vivido
Faz-se, enfim, poesia que suscita

O canto triste deu lugar à nova melodia
Ainda nos primeiros acordes
Já desmoronam desculpas torpes
Que construíam o castelo da fantasia

Quis fazer de conta
Que era suficiente, ainda que tonta
Não queria ver o que me afronta
Desfazer meus nós e de novo estar pronta

Diante do descabido abandono do sonho
Vejo delinear outro caminho
Ainda que tivesse, a esmo, num tropel medonho
Perdida, esquecida, à espera do bisonho

Há que se sentir o indubitável
O impensado, quiçá irremediável,
Torna descabido o desejo incontrolável
Que ficou lá no fundo... intocável

A razão desdobra-me em incógnitas
Mas a coração o dilúculo escancara
Pode-se até mesmo quebrar a cara
Ao abrir os olhos diante de emoções remotas

A vida, vez ou outra, nos surpreende
Impõe-nos regras e preceitos
Cabe a nós calar ou rever conceitos
Dedilhar o intangível que nos prende

Presente: momentos fugazes na trajetória
Enigma: ponta de iceberg que nos dá pistas
Daquele  que se constrói ao destruir sofistas
Insights singulares desenham em mim : nova história!



Nenhum comentário:

Postar um comentário