crisjoshaff@gmail.com

sábado, 23 de abril de 2016

Autópsia


A vida é caixa de Pandora
Esperando para ser aberta...
Quem sabe ontem, amanhã, agora?

Fechada é mistério: segredo...
Faz-nos acovardar na letargia...
Aberta é desespero, medo: degredo...

Vez ou outra, curiosos, somos tomados...
Pela indiscrição, pela compulsão, pela vontade
Tocamos o insondável e sonhos roubados...

Diante do enigma:
“Decifra-me ou te devoro!”
Somos instigados a romper o paradigma...

Politicamente corretos
Deparamo-nos com o precipício
Mesmo que não nos vejamos certos

Diante de anjo torto que mais tenta que guarda
Sentimo-nos cada vez mais perto do céu
Tudo é caminho, travessia, vanguarda

Antes ... a surpresa e a urgência
Necessidades humanas espelham a imperfeição
Com sua inegável premência

Consumidos pelos desejos
Insights:  vontade e intensidade...
Ensejos  -  lua cheia no mar - beijos

Bocas escrevem poesia em corpos despertos
Marcas indeléveis:  lembranças... saudade...
Sinópsia? Parópsia? Autópsia de olhos bem abertos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário